* Tickers atualizados a cada 15 minutos.

Investindo em Inovação e Tecnologia com mais diversificação

Desde os tempos da bolha das empresas ponto.com, em 2001, as ações de tecnologia são vistas como oportunidades de retornos estrondosos e de perdas avassaladoras.

Até aí, tudo bem! Afinal de contas, a lei do risco/ retorno vale para qualquer investimento. Se um investimento tem o potencial de trazer um retorno gigante, também pode gerar perdas profundas.

Dentro desse contexto é que podemos destacar a dificuldade de acertar bons investimentos em inovação e tecnologia, pois a chance de “acertarmos” a tecnologia ou a empresa vencedora é muito baixa.

Considerando a crise das ponto.com, para a vitória da Amazon no e-commerce tivemos a derrota de quantas empresas que hoje não conseguimos nem lembrar o nome?

A inovação é disruptiva e a sua missão é justamente essa! Trazer coisas novas que deixam formas antigas de fazer negócio, obsoletas.

Essa dinâmica deixa a estratégia de investir em novas tecnologias ou novos setores, muito complexa e até mesmo um exercício de sorte - uma loteria mesmo.

Nesse artigo, vou abordar uma técnica que ajuda muito a simplificar essa questão e aumentar as chances de obtenção de sucesso quanto a investimentos em tecnologia e inovação.

Como encontrar as empresas vencedoras em suas respectivas corridas?

A empresa dita “vencedora” é aquela que inovou e conseguiu chegar na frente. Via de regra é a primeira grande expoente de um determinado setor.

Aqui cabem os exemplos da Netflix, no setor de streaming, ou Tesla, que busca ser a referência na inovação em veículos elétricos.

Mas normalmente quando elas são consideradas vencedoras, as suas cotações já valorizaram muito, com o investidor comum fora do jogo.

Inclusive é mais comum o investidor individual “entrar” na ação no topo, por medo de ficar de fora do setor, e ver o preço despencar devido a acomodações de mercado.

Para minimizar o risco de fracassar investindo em empresas que “perderam o bonde” no seu setor, a melhor forma de participar é por meio de ETFs.

ETFs? Como assim?

Imagine que desde pequeno você, que lê esse artigo, é aficionado(a) por videogames. Aqui estamos falando de um setor que movimentará mais de 200 bilhões de dólares em 2022. Desde que você começou a poupar o seu dinheiro deseja investir nesse segmento porque acredita que ele tem potencial de crescer ainda muito por anos.

Mas você também sabe que nesse ciclo de crescimento muitas empresas vão nascer e morrer fazendo games. Esse fato deixa quase impossível a seleção de ativos, pois o índice de mortalidade do setor é gigante! Investir em um ETF do setor de games pode ser a solução!

Um Exchange Traded Fund (ETF) é um fundo de investimento listado na bolsa de valores que tem como política de investimentos replicar um índice de ações ou carteira teórica pré-determinada.

Quando o investidor seleciona um fundo que espelha um índice setorial, ele está focando o seu investimento no tema do setor, especificamente, e colherá o fruto da valorização das empresas campeãs desse setor!

Aqui no Brasil, por exemplo, já temos muitos ETFs focados em tecnologia e inovação e inclusive já existe ETF disponível para investimento na indústria de Gaming.

O ETF com o código JOGO11 é um fundo que busca acompanhar a variação do índice MVIS Video Gaming & E-sports Index. Esse índice de mercado mede a performance de companhias globais do segmento de videogames e esportes eletrônicos (eSports).

Isso significa que o tema de investimentos desse fundo é Global Video Gaming e eSports, podendo incluir empresas que desenvolvem videogames e softwares/hardwares relacionados, prestam serviços de transmissão ao vivo (streaming) ou estão envolvidas em eventos de eSports.

Comprando uma cota de JOGO11, você está adquirindo uma carteira diversificada de ativos com essa característica. O curioso aqui é que você “ganha de brinde” o Rebalanceamento automático da carteira.

O que significa rebalanceamento automático da carteira?

Transcrevendo a própria definição do criador do índice (MarketVector):

O MVIS ® Global Video Gaming & eSports Index acompanha o desempenho das maiores e mais líquidas empresas nos setores globais de videogames e eSports. Este é um índice ponderado por capitalização de mercado modificado e inclui apenas empresas que geram pelo menos 50% de sua receita de videogames e/ou eSports, como desenvolvimento de videogames e software/hardware relacionado, serviços de streaming e empresas de eventos de eSports. O índice cobre pelo menos 90% do universo disponível para investir.

Por se tratar de um índice ponderado por capitalização (valor de mercado), podemos esperar que empresas que estão perdendo relevância tem as suas cotações deprimidas na bolsa e como consequência a sua participação relativa no índice (e no ETF) cai.

Isso significa que a própria metodologia de construção do índice acaba funcionando como um processo de “seleção natural” diminuindo muito o risco dos cotistas “carregarem” por décadas uma empresa que não possui mais significância em seu respectivo mercado de atuação.

Colocando de outra maneira, investindo no ETF do setor você está indiretamente investindo nas vencedoras desse setor, porque as perdedoras são expulsas da carteira do ETF devido ao próprio rebalanceamento da carteira do índice de referência.

Qual a vantagem de usar ETFs para investir em tecnologia e inovação?

Nesse artigo, usei especificamente o setor de Global Video Gaming & eSports para ilustrar o mecanismo. Mas de forma genérica podemos citar duas vantagens em usar investimentos temáticos (via ETFs setoriais):

1. Todo ETF que é baseado em um índice de ações é por definição um investimento diversificado. Logo, comprar a carteira do setor é menos arriscado do que comprar apenas uma ação do setor. Podemos dizer inclusive que o “risco de ruína” de um setor é muito mais baixo do que de uma empresa.

2. Caso o índice de referência, como na grande maioria, possua a sua ponderação por capitalização de mercado, temos o processo de seleção natural automático. O próprio índice se encarrega de expulsar as companhias desacreditadas em tamanho de valor de mercado.

Essa lógica vale para qualquer setor da economia?

Apesar de, nesse artigo, termos concentrado a nossa análise no setor de tecnologia e inovação, as vantagens que listei acima valem para qualquer setor.

Mas quando investimos em um ETF é sempre importante conhecer o índice de ações que ele espelha. Todos os índices modernos consideram o valor de mercado como variável de ponderação e sempre é dado mais crédito para a ação que vale mais na bolsa.

Seguindo esse princípio, as ações que valem mais são aquelas em que por algum motivo o mercado está mais interessado. Investindo no ETF você está buscando essas vencedoras!

Sobre o setor de tecnologia e inovação: já existem opções disponíveis?

As opções não param de aumentar! Até Agosto de 2022 já contamos com 35 alternativas no Brasil.

Clique aqui e veja a lista dos ativos dos segmentos de Biotecnologia, Cybersegurança, Gaming e Semicondutores, entre outros.

Tags

Biotecnologia • 

Cybersegurança • 

Gaming • 

Semicondutores

Ver todos os artigos